segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Comentários sobre o filme...

Eu achei muito legal e muito interessante porque havia, como pano de fundo, o conflito entre os alemães e os judeus. No entanto, na história dos dois meninos, esse ressentimento não levou a nada. Bruno era filho de um soldado alemão e era amigo de um menino judeu chamado Shimu, e Bruno morre porque a amizade dele era verdadeira. Moral do filme: todos são iguais, não importa a religião, a raça, etc e todos têm o direito de serem livres e felizes. Diane de Oliveira

_________________________________________________

Eu adorei o filme, pois falava sobre Hitler, seus soldados que pegavam os judeus e tomavam suas vidas e no meio dessa bagunça toda tinha dois meninos, Shimu e Bruno, o primeiro, um judeu e o segundo, filho de um soldado alemão. Shimu ficava num campo de concentração e Bruno achava que aquilo era uma fazenda. Eles se encontravam todos os dias, até que num determinado momento Bruno decide ajudar Shimu a encontrar o pai, veste-se com a roupa listrada e entra no campo de concentração. Lá, são levados para uma câmara de gás e mortos juntamente com vários outros judeus. Jéssica Vanda

__________________________________________________

O filme foi muito legal, eu gostei muito. Teve uma parte em que Bruno vai encontrar o menino do pijama listrado e ele aparece com o olho cortado, essa parte mostra que os judeus eram maltratados pelos alemães. Mas fora isso, o filme foi muito bom. Acho que os alemães não tinham o direito de maltratar os judeus. Ana Maria Ristow

__________________________________________________

O filme fala sobre a guerra. Alemães matavam judeus em campos de concentração. Um menino alemão conheceu um judeu e se tornaram amigos, mas essa amizade entre os dois era proibida. Um dia o menino alemão pegou a roupa listrada dos judeus para ajudar o amigo procurar seu pai, mas acabou morrendo por causa do gás. Janilson

__________________________________________________

O filme conta a história de dois meninos na época do Hitler, que escravizava até crianças judias, estas eram punidas até se pegavam alguma comida. Bom, eu achei isso muito interessante, pois retrata bem aquela época, a qual o menino Bruno não entendia muito bem, mas passou a entender quando conheceu Shimu, que morreu junto a Bruno numa câmara de gás, no final do filme. Filipe José Eccel

Filme: O menino do Pijama Listrado!



domingo, 8 de novembro de 2009

Sobre a visita do Escritor...

Comentários dos alunos:

“Eu achei muito interessante a vinda do Viegas aqui na escola, nós alunos aprendemos mais sobre o mundo dos livros (dos escritores). Ele conseguiu despertar o interesse de muitas pessoas pela leitura e nos incentivou e escrever também. Gostei muito das histórias que ele contou, e pessoalmente também gostei bastante dele, pois fala a nossa linguagem e é bem legal. Foi bom o elogio que ele fez sobre o livro que nós fizemos, disse que foi uma coisa diferente, que ninguém tinha feito ainda e sugeriu que fizéssemos com outras pessoas que viessem nos visitar”. Michele Lins

“Sua chegada foi meio tímida, já que não nos conhecia, mas depois foi se soltando. Perguntou o que gostaríamos de saber. No começo não sabíamos o que perguntar, porém depois de duas ou três perguntas outras dúvidas e curiosidades foram surgindo, e assim foram passando as horas e ele foi contanto sobre suas experiências, onde buscava inspiração, etc. Adorei sua visita e espero vê-lo mais vezes”. Vanessa de Limas.

“Olha, eu achei a visita dele muito boa, porque nós o conhecemos melhor, ele falou da sua vida de escritor, de suas inspirações, que ele tinha trabalhado em jornais famosos de Santa Catarina. Falou de seus livros, da história deles. Enfim, eu o achei muito simpático e muito legal. Queria que ele viesse mais vezes, eu até ganhei um autógrafo dele!” Gabriel Junior da Silva

“Eu adorei a visita dele, principalmente quando disse que já tinha ido para outros lugares, mas nunca havia estado em escola nenhuma de Brusque. Gostei muito das histórias que ele contou, do Peixe e a Frigideira, da Moça, etc. E achei interessante quando ele disse que mandava toda semana textos para fora do Brasil”. Juliano Libardo

“Foi muito bom. No início eu achava que seria chato, que essa visita seria mais uma chance para matar aula, mas depois eu percebi que era bem interessante. Gostei muito que ele nos contou de onde vêm suas inspirações, de como começou a escrever e por que lia e lê tantos livros. Eu descobri muitas coisas que nem fazia ideia a respeito de um escritor”. Sabrina Fenske

“Achei muito legal a visita dele, gostei muito das histórias que ele contou, a mais legal, na minha opinião, foi a do Peixe e a Frigideira. Antes eu não sabia o motivo do livro de crônicas se chamar “Sob a Luz do Farol”, achei engraçado depois que ele contou. Achei meio estranho quando ele disse que era bagunceiro e começou a ler nas aulas de Educação Física, mas foi interessante essa história, e o mais legal foi que, mesmo o pai dele falando que queria que ele tivesse uma outra profissão, ele seguiu o que queria e hoje é um grande escritor”. Jaqueline de Souza

“É a primeira vez que nós recebemos visita de um escritor aqui na escola, e eu gostei muito de conhecer o Viegas. As Crônicas que ele escreve são bem legais, eu gostei mais da do Peixe e a Frigideira depois que ele contou a história”. Andreza Rech Pereira

“Realmente eu adorei, foi um espetáculo ele falar de sua carreira. Eu imaginava que ser escritor era fácil, mas ele nos mostrou que não. Quando ele começou a falar de sua carreira eu me impressionei, pois ele disse que era um aluno bagunceiro e que não imaginava que um dia seria um escritor. Ele também contou que tinha uma professora que não gostava muito dele e o colocava pra fora da sala e ele ia à biblioteca ler livros, foi aí que mudou e conseguiu realizar seu sonho”. Jaciara Will

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Visita do Escritor Viegas Fernandes da Costa!







Parabéns Viegas pelo seu trabalho!!!!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Outra produção...

A FESTA DA MÃE D'ÁGUA
Débora Vermöhlen - 7ª C

Em uma tarde de quarta-feira Mãe D'Água estava passeando pela cidade e, como de costume, estava cantando. Em todas as lojas e até na Igreja os homens saiam para ouvir o seu canto atraente. De repente, lá vem o Saci-Pererê, pulando de alegria por ter espantado os cavalos no campo.
Dias depois Mãe D'Água decidiu fazer uma festa e convidar todos os seus amigos. Convidou o Boitatá, o Curupira, a Mula-sem-cabeça, o Boto, o Saci-Pererê, o Lobisomem e mais umas pessoas da cidade.
Chegou a noite e todos foram à festa, no entanto, mal chegara e Saci já começara com suas travessuras, queimou toda a comida da festa com seu cachimbo.
A Mãe D'Água não gostou e o expulsou da festa.
Mas, já era meia-noite, e como todos sabem, nas noites de quintas para sextas-feiras, uma mulher sempre se transforma em mula-sem-cabeça saltando sem parar e soltando fogo pela cabeça, então todos resolveram dar por terminada a festa e ir embora.

Mais um texto...

O BOITATÁ
Janilson Almeida Conte - 7ª C

Certo dia o Boitatá estava passeando pela floresta e viu uma fábrica de madeira. Tinham vários homens desmatando a floresta ilegalmente. Quando estava anoitecendo o Boitatá passou rapidamente como um vulto, um dos homens o viu e foi correndo falar para os colegas.
No dia seguinte, eles acordaram cedo, era aproximandamente 06:30 da manhã. Quando eles terminaram de tomar o café, ouviram um barulho no galpão onde eram colocadas as árvores. Um deles foi ver o que era, quando entrou no galpão encontrou o Boitatá que, num golpe só, matou o lenhador.
Os colegas ouviram os berros e foram ver, mas já era tarde, só encontraram o corpo do colega.
No dia seguinte, quando tomavam café ouviram um barulho igual ao barulho do dia anterior, todos foram ver o que era e quando entraram no galpão, o boitatá matou todos de uma só vez.
A fábrica, que era ilegal, foi fechada e nunca mais se ouviu falar nisso.

Confiram algumas produções...

LOBISWOMAN
Felipe José Eccel - 7ª C

Era uma vez uma mulher que todos os dias ouvia seus vizinhos reclamarem que seus pássaros sumiam e a gaiola ficava toda quebrada, mas com ela isso nunca acontecia. O nome dela era Luzia, e ela não se lembrava o que acontecia depois que acordava.
Ela começou a ficar preocupada, pois seu avô tinha a mesma coisa e Luzia tinha um colar com a foto dele.
Um dia ela chamou uma amiga para ver o que acontecia depois da meia-noite. A amiga ficou muito assustada, pois viu Luzia se transformar numa fera peluda, com o cabelo do Cleiton, e ainda viu o colar com a foto do avô dela brilhar.
A amiga saiu correndo e ouviu um grito:
- AAAAÚÚÚÚÚ...
Que mais parecia o Gabriel imitando o gritinho do Michael Jackson, logo imaginou que era uma lobisomem, ou melhor, uma lobiswoman. Pronto, ali se descobriu quem comia os pássaros e assustava a todos.
A amiga contou para a vizinhança (amiga da onça, ou melhor, da lobiswoman!) e um caçador que sabia da lenda pegou sua espingarda importada do Paraguai e deu um tiro na meio do coração de Luzia, mas ela não morreu, pois pegou no colar, acabando assim com a maldição.
Então a Luzia resolveu tomar um rumo na vida e virou professora de Português, e o seu melhor aluno é o Felipe!

Produção Textual - Avaliação Diagnóstica

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Paródia - Dia do Professor!

Paródia da música:
Como é Grande o meu amor por você! (Roberto Carlos)


Vanessa de Limas. - 7ª C

Eu tenho tanto
Pra estudar
E as palavras
Tia lu vai ensinar
Nova gramática
Ficou pior
Pra decorar...

A matemática
Tem que escutar
Pra dona Alzira
Poder explicar
Como é grande
As equações
Pra resolver...

Ainda tem ciências, geografia,
Religião, história, ed. Física.
Artes, inglês
E pra pensar
Filosofia.

Me desespero
Tenho que estudar
Nem com a chuva
Posso faltar
São os meus pais
Que me obrigam
A vir pra cá...

Não leve a mal
Essa brincadeira
Escute agora
O que eu vou dizer
Como é importante
A profissão
De vocês!!
Como é importante
A profissão
De vocês!!

Cantada pelos alunos (as): Guilherme, Jéssica e Vanessa.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Cartazes!





Alguns cartazes produzidos pelos alunos da 7ª C.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Fotos do Gestar II

Oficina realizada no dia 03/10/09. Tema: Olímpiada de Língua Portuguesa.


Prof. Marta, Prof. Elizete e Prof. Luzia

Anúncio Publicitário e Intertextualidade!

Onde está a intertextualidade?


Anúncio por Rodrigo Oliveira

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Voltando às produções dos alunos...

Texto produzido pela aluna Vanessa de Limas - 7ª C, seguindo a proposta anterior.

A nova onda da Rapunzel!

Era uma vez uma linda menina chamada Rapunzel, ela era simpática, comportada e muito disciplinada. OPS, eu disse simpática, comportada e disciplinada não, não é isso vamos voltar um pouquinho!
Era uma vez uma linda garota chamada Rapunzel, ela era meio nervosa, rebelde e muito, muito mimada. Adorava umas compras e como era muito bajulada pelo pai, o Rei que era viúvo, e fazia tudo que a filha queria, vivia no shoping fazendo compras e mais compras. Ela tinha um gênio forte, a última palavra sempre era a dela. Era uma garota de cabelos loiros, olhos verdes, estiloza e dona de um corpo espetacular segundo os príncipes do primeiro ano onde ela estudava.
Ela passava todos os dias malhando para deixar aquele corpo cada vez mais bonito e assim deixar os meninos babando, o que ela adorava é claro, não tinha medo de se mostrar pra quem quisesse ver! Quando não estava malhando, estava no celular ou no PC falando com as amigas, geralmente sobre garotos, moda e se gabando como sempre.
Seu pai era muito ciumento, sempre fazia várias recomendações para a filha quando ela dizia que iria sair como seus amigos e amigas para alguma festa, ele vivia dizendo:
-Filha, não beba nada além de refrigerante de latinha, nunca se sabe o que eles podem colocar em sua bebida e BLÁ, BLÁ, BLÁ...
Rapunzel ouvia tudo e concordava sempre, com a esperança que aquilo acabasse logo. Quando chegava as festas só dava ela, eram filas e filas de meninos para dançar com ela e ela, dançava com todos! Resumindo ela era a mais sexi e a mais sensual de todo o reino e consequentemente, a mais disputada.
Com tudo isso Rapunzel estava cansada de só ficar por ficar, queria algo mais sério, foi então que teve a ideia de se autotrancar numa torre para ver qual seria o príncipe mais corajoso, forte e bonito que iria raptá-la e esse, é claro, seria o seu namorado. A notícia se espalhou rápido pelo reino se transformando no assunto principal em todas as rodinhas de meninos e meninas na escola.
Enquanto Rapunzel estava na torre, os príncipes se preparavam. No dia seguinte começou a saga para tentar raptar a princesa.
Foi o primeiro. Tentou escalar a torre e acabou caindo. O segundo aconteceu o mesmo e assim por diante, até que um dia ela decidiu jogar os seus lindos e compridos cabelos loiros para fora da janela da torre para que o príncipe segurasse neles e subisse.
E assim foi feito, o príncipe segurou em seus cabelos e começou a subir, só que quando ele estava no meio da torre o cabelo da princesa, que na verdade era aplique, caiu e o príncipe junto. O príncipe lá em baixo percebeu, então, que era impossível subir lá daquele jeito e foi embora. Mas, depois de um tempinho retornou, pegou uma corda e amarrou um gancho na ponta e disse:
- Princesa saia da frente que vou jogar a corda.
Ele jogou a corda e ela prendeu com sucesso. Pegou uma escada que ele mesmo tinha acabado de fabricar e encostou-a na torre, então, começou a subir e quando chegou ao último degrau da escada seguiu pela corda e conseguiu chegar lá em cima na torre, foi quando disse:
- Rapunzel, estou aqui minha linda.
- O quê, você, mas como? Disse a loirinha espantada.
- Sim eu, qual o problema? Perguntou o príncipe com um sorriso estampado no rosto.
- Ah, nada, nenhum problema mesmo! Respondeu com um ar de decepção.
O rapaz era o Rafael, o príncipe mais nerd do colégio, e justamente por isso que ele conseguiu chegar até lá, depois de vários cálculos matemáticos como todo nerd que se preze! Mas como promessa é promessa, Rapunzel teve que namorar com Rafael que além de nerd, jeito intelectual, não sabia falar de outra coisa a não ser de estudos!
E assim Rapunzel viveu escutando para sempre os cálculos de Rafael, tudo isso por livre e espontânea pressão de seu pai, que adorou Rafael. Bem, dizer que foi pra sempre, não dá, pois o namoro durou 6 meses e depois disso Rapunzel voltou para as festas e baladas, só que agora um pouco mais ousada.

domingo, 27 de setembro de 2009

Avaliação Diagnóstica - Desempenho.

Gráfico de desempenho dos alunos - Avaliação diagnóstica Leitura e Compreensão de textos/ GESTAR II.




sábado, 26 de setembro de 2009

Atividade...

Atividade realizada no dia 12 de Setembro de 2009, em que tínhamos que criar um texto somente com palavras que iniciassem com a mesma letra. Segue o resultado:

Imagem implícita

Luzia Antonelli Pivetta

Ilha imaginária... Imagem intocada,
Ímpia,
Invisível,
Indescritível.
Interpreta interesses irreais intensos!
Imaculada,
Insegura,
Intrínseca.
Idealiza instantes improváveis!
Insegura,
Infeliz,
Imoral.
Intercala inteligência, intenção, inovação.
Inacabada.
Imortal
Ilusão.

Fotos dos alunos!

Ao fundo, alguns dos cartazes produzidos em sala sobre anúncio publicitário e figuras de linguagem
Alinhar ao centro

Alunos da 7ª série C da Escola de Ensino Fundamental Paquetá

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Mais um texto...

Texto criado pelo aluno Juliano Libardo. 7ª C.

Chapeuzinho Vermelho...


Certo dia a mãe de Chapeuzinho preparou alguns doces e pediu para ela levar até a casa da sua avó, que morava do outro lado do centro. Sua mãe falou para que ela não conversasse com ninguém, porque era perigoso.
Enquanto atravessava o centro ela esbarrou com dois estranhos,eles tiveram vontade de oferecer drogas para a menina, só não o fizeram porque havia vários policiais por perto.No entanto, Chapeuzinho disse a eles que ia até a casa de sua avó, levar os doces que sua mãe tinha feito.O que ela não sabia era que os elementos eram perigosos e estavam seguindo-a, mesmo assim tentou desviar, passando por outra rua.
Chapeuzinho foi andando mais rápido e chegando na casa da avó, avisou-a que talvez duas pessoas estranhas pudessem tê-la seguido.
Então a avó e Chapeuzinho decidiram bolar uma cilada para os estranhos.
Eles chegaram na casa da avó e bateram na porta "toc, toc, toc".
A avó disse:
- Podem entrar, a porta está aberta.
Então eles entraram e tiveram uma boa surpresa, a avó jogou um balde de água nos dois e deu uma surra neles. Desde então os elementos nunca mais incomodaram ninguém...

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Mais uma...

Produção dos alunos da 7ª série C da Escola de Ensino Fundamental Paquetá: Carlos, Fábio e Marcos.

A raposa e as azeitonas...

Era uma vez uma raposa que queria fazer uma conserva caseira de azeitonas.
Foi a um bosque procurar azeitonas.
Procurou por muito tempo, mas quando achou não conseguiu pegar, pois estavam muito altas. Após várias tentativas, desistiu!
E resolveu quebrar o seu porquinho, pegar todas as suas economias e comprar azeitonas em conserva no supermercado.

Algumas Produções dos alunos...

Produção dos alunos da 7ªC: Filipe, Gabriel e Cleiton.

A Vovó Boazuda da Chapeuzinho Vermelho

Era uma vez a Chapeuzinho Vermelho, que estava passeando pelo bosque, então o lobo Bad a viu e perguntou:
- Aonde você vai?
- Na casa da Vovó Boazuda. - respondeu ela.
Então o lobo saiu na frente e chegou primeiro na casa da vovó. Quando ele viu a vovó, ela estava de minissaia e ele disse:
- Que belas pernas você tem!
Foi amor a primeira vista. Os dois estavam no maior clima, até que na hora H, a Chapeuzinho chegou. Aí foi uma correria... A Vovó boazuda se escondeu atrás do armário e o lobo Bad se escondeu, ou melhor, se vestiu de vovó e deitou na cama. Então a Chapeuzinho começou a perguntar ao lobo.
- Pra quê essa boca tão grande?
- É pra beijar sua vovó melhor! OPS, escapuliu! - disse o lobo.
Pra dar um jeito na história o lobo Bad pegou a vovó e fugiu para se casar. Porém, o lobo não era solteiro, na verdade tinha 17 filhos, era tanto filho que para não se perder, os nomes eram 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7...17.
Bom, mas não interessa, pois a Chapeuzinho avisou a mulher do lobo Bad e quando o padre disse:"Se alguém tem alguma coisa contra esse casamento fale agora ou cale-se para sempre!", a mamãe lobo apareceu e acabou com a festa, literalmente.
O lobo Bad apanhou tanto que ficou o resto da vida no hospital e a vovó se casou com um caçador bonitão que estava passando por ali. E quase todos viveram felizes (quase para sempre), pois seis anos depois a vovó ficou feia e se separou, e a Chapeuzinho não querendo se incomodar mandou-a para um azilo.

Segunda Proposta de Produção...


sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Mais um texto dos alunos...

Texto escrito pelas alunas da 7ª série C: Jaqueline, Francini e Andreza.
Bom dia, Senhor Frederico.
Estou lhe mandando essa carta para avisar que SE EU FOSSE VOCÊ ficava de olho no MENINO DA PORTEIRA pois ele está "secando" a sua patroa, A FILHA DO CHEFE, e pelo o que eu sei ela o ama, mas fazer o que né, O AMOR É CEGO. O SENHOR DOS ANÉIS que é O TODO PODEROSO pensa que os DOIS FILHOS DE FRANCISCO também a amam. Mas Francisco diz que para seus filhos é como se ela fosse A MULHER INVISÍVEL. Mas que confusão! Desse jeito O BICHO VAI PEGAR, acho que OS DEUSES DEVEM ESTAR LOUCOS. Quero avisar também que você foi O CHAMADO para fazer a PROVA DE FOGO sobre a ERA DO GELO. Lembro-me ainda do MEU PRIMEIRO AMOR, era sempre só eu, O FUSCA E A NAMORADA, ahh, que saudade, SE MEU FUSCA FALASSE ele diria: "preciso que me lavem". Diziam que eu era O GLADIADOR no presente e o EXTERMINADOR DO FUTURO, mas isso é pura inveja, na verdade eu sou romântica até de mais. Eu estava sempre NO RITMO DO AMOR!

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Intertextualidade - produção dos alunos

Texto criado pelos alunos da 7ª série C: Filipe J. Eccel, Carlos E. Coelho e Gabriel J. da Silva. E.E.F. Paquetá

A viagem...

Eu e meus amigos estávamos jogando UNO enquanto as garotas assistiam Hanna MONTANA, depois fomos jogar futebol e quando fizemos o GOL, achamos um buraco e tivemos a IDEA de jogar GOLF, e rolar na grama, o que deu vontade de se CORSA. Fomos tomar banho na casa da PRISMA do Dedé SANTANA e não tinha roupa, então ele deu um BLAZER para a gente se vestir. Depois eu e meus amigos fomos para minha casa.
Chegando lá minha mãe disse:
- Tenho uma notícia PARATI.
Eu disse:
- O que aconteceu?
E ela disse que nós tínhamos ganhado uma VOYAGE para BRAZÍLIA, mas era só de ida, então tivemos que voltar de FUSCA. Aproveitamos que nossa tia morava lá perto e mandamos tia MERCEDES BENZê todos nós para que desse tudo certo.
Mas não tivemos muita sorte, pois na hora do PUNTO de partida o FUSCA falhou e como estava calor, aproveitamos para comer um sorvete de FOCUS, mas o carro não voltou a ligar então voltamos de MONZAbanando!!!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Projeto!!!

CAPA DO PROJETO...
JÁ DÁ PRA IMAGINAR SOBRE O QUE SERÁ????
Em breve mais textos dos alunos sobre intertextualidade...

domingo, 23 de agosto de 2009

INTERTEXTUALIDADE - continuação.

Atividade realizada pelos alunos da 7ªC da Escola de Ensino Fundamental Paquetá: Jakson dos Santos, Guilherme Olinger e Júlio Graf.

Dia Complicado...

Estávamos na avenida 51, correndo para pegar uma BOA moça, tomando uma SKOL gelada, com o SOL fervendo. Quando nos parou um VELHO BARREIRO com um copo de WHISKY e outro de VODKA. Ele nos disse:
- CAMPARI os dois misturados com uma COCA-COLA. Ficamos parecendo uns CAIPIRINHA, fugindo do CAPETA. Querendo achar um RED BULL pra sair voando. Achamos e depois tomamos um NITRIX e o CAPETA ficou para trás. Paramos para pescar um BACARDI, convidamos uns amigos para uma KAISER gelada e para comer os BACARDIs.

Atividade realizada pelas alunas da 7ªB da Escola de Ensino Fundamental Paquetá: Amanda de Mello, Luana Michelli e Andiara Sodre.

Uma família...

Hoje em dia TUDO É POSSÍVEL na vida de uma pessoa.
Joana gosta de um DOMINGO LEGAL, mas fica em PÂNICO quando assiste filmes de terror.
Carolina, sua filha, adora ver ESTRELAS antes de dormir, depois vai para o seu quarto que é uma ZORRA TOTAL. Quando ela ia para A FAZENDA de sua avó tinha medo de COBRAS E LAGARTOS.
O irmão de Carolina ia para a academia fazer MALHAÇÃO. Ele fazia CARAS E BOCAS, pois era mal educado com algumas pessoas, menos com sua namorada Luana. Ela tinha vários ÍDOLOS como HANNA MONTANA, com seus produtos de beleza, ela ficava 10 ANOS MAIS JOVEM.
Nessa família tinha MULHERES APAIXONADAS, mas todas elas tinham sua ALMA-GÊMEA.
Cláudia, uma dessas mulheres, botou o PÉ NA JACA, dias depois perdeu suas CHAVES. Seu marido era FANTÁSTICO, mas não gostava de CHOCOLATE COM PIMENTA.
Nessa família todos eram felizes...

Atividade realizada pelas alunas da 7ªC da Escola de Ensino Fundamental Paquetá: Sabrina Fenske, Vanessa de Limas e Jéssica S. da Cruz.

Um encontro inusitado...

MARLEY E EU estávamos passeando quando vimos UMA LINDA MULHER atravessando a rua. Logo avistei dois carros VELOZES E FURIOSOS se aproximando, pensei comigo "DEU ZEBRA"! Me senti um SUPER-HERÓI, saí correndo e puxei a moça. Entrou TODO MUNDO EM PÂNICO.
Começamos a conversar e descobri que ela era ganhadora do prêmio MISS SIMPATIA, então falei pra ela:
- SE EU FOSSE VOCÊ prestava mais atenção ao atravessar a rua!
Convidei-a para ver um CREPÚSCULO numa SEXTA FEIRA 13, e acabamos na balada dançando TITANIC.

INTERTEXTUALIDADE - atividade em sala de aula

Atividade realizada pelos alunos da 7ªB da Escola de Ensino Fundamental Paquetá: Nicolas Mastrandeas, Jefferson Sodré, Matheus Pavesi e Luiz Dalcastagner. Proposta conforme imagem acima.


Caro amigo JOHNNIE WALKER,

Sua filha NATACHA estava tomando banho de SOL. Então fui perguntar sobre o VELHO BARREIRO e sua filha DREHER. Ela me disse que DREHER estava grávida e que se eu quisesse vê-la teria que pegar um PASSAPORT para a ANTÁRTICA.
Dentro do avião a 51 minutos de vôo a aeromoça avisou que teríamos que parar em ITAIPAVA. Aproveitei e fui ver a onça que estava perto de um pé de AMARULA. Senti sede e fui tomar uma COCA-COLA. Assistindo ao noticiário vi que a Xuxa foi presa bebendo CACHAXA. Voltando ao avião seguimos viagem.
Chegando à ANTÁRTICA fui falar com DREHER que estava fazendo SMIRNOFF dormir. Conversa vai, conversa vem, descobri que sua prima BRAHMA havia morrido na CAVERNA DEL DIABLO e sua amiga TEQUILA estava chocada com o que aconteceu. De repente meu telefone tocou, era minha mulher HAISKA. Ela me disse que estava grávida e que eu teria que voltar para IPIROCA.
Por falta de tempo tive que escrever essa carta para o senhor.

Ass: SKOL

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

"A Espera de um milagre"...

Nas PONTES DE MADISON, TOOTSIE, estava À ESPERA DE UM MILAGRE quando BENJAMIN BUTTON surgiu depois de passar SETE ANOS NO TIBET. Quando ela o viu deu “O GRITO”, que soou de tal modo deixando TODO MUNDO EM PÂNICO, inclusive suas irmãs THELMA & LOUISE. Naquele lugar ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ preferiu acalmar-se e perguntar se, afinal, ele havia decifrado O CÓDIGO DA VINCI, conforme combinado com A FILHA DO CHEFE na última reunião dA FIRMA. Sim. Ele descobrira O SEGREDO que estava envolvido nO MISTÉRIO DA LIBÉLULA, este falava do ARMAGEDON, dO FIM DOS DIAS, e dO DIA EM QUE A TERRA PAROU. O que iriam fazer? Decidiram chamar A LIGA DA JUSTIÇA, no entanto, somente O HOMEM-ARANHA e o BATMAN atenderam O CHAMADO. OS SINAIS eram óbvios e até O LEITOR mais desavisado perceberia que A GUERRA DOS MUNDOS se aproximava. A INVASÃO era inevitável e para deter A AMEAÇA SUBTERRÂNEA fariam uso da INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL, para criar um PLANO DE GUERRA que fosse eficiente. Isso seria uma MISSÃO IMPOSSÍVEL, pois precisariam de muita CARGA EXPLOSIVA e diversas MÁQUINAS MORTÍFERAS para destruir O PREDADOR que se aproximava. Se fosse preciso iriam lançar mão de medidas desesperadas como promover A RESSURREIÇÃO do APOCALYPTO com a ajuda da BRUXA DE BLAIR. Logo percebem QUANDO A NOITE CAI e O CREPÚSCULO se afasta, que O SILÊNCIO DOS INOCENTES enche o ar com A SOMA DE TODOS OS MEDOS. O INIMIGO DO ESTADO finalmente se aproximou, AS HORAS vão passando e até GODZILLA decide se juntar a batalha seguido por 300 outros que vinham de uma terra distante, MAR ADENTRO. A BATALHA FINAL iria começar... TOOTSIE acorda. Logo, percebe que estava nA CIDADE DOS SONHOS e que A LIBERDADE É AZUL, A VIDA É BELA e DEUS É BRASILEIRO!
Atividade realizada no dia 08 de Agosto de 2009, pelo trio Bruna, Luzia e Nélio.

sábado, 8 de agosto de 2009

Como fazer um memorial?

video

Quando criamos nosso Memorial da vida escolar, umas das primeiras tarefas do curso, encontrei esse vídeo na internet e gostaria de compartilhar...

A PESCA

Essa atividade foi realizada em casa, a proposta era criar um texto narrativo utilizando as palavras do poema de Affonso Romano de Sant'Anna, A Pesca, que segue abaixo:

O anil
o anzol
o azul

o silêncio
o tempo
o peixe

a agulha
vertical
mergulha

a água
a linha
a espuma

o tempo
o peixe
o silêncio

a garganta
a âncora
o peixe

a boca
o arranco
o rasgão
_______________________________________________
A PESCA
Luzia Antonelli Pivetta

O anil daquele céu refletia, no brilho das águas, o anzol pendurado na linha da vara de pescar. Era um dia de sol. O azul da maleta que carregava com seus apetrechos para a pesca combinava com aquele cenário. Sentado na beira do lago, lá estava ele, o pescador, pronto para mais um dia de trabalho. De repente, o silêncio... A preparação, a linha, o anzol, a isca. Tudo pronto. O tempo certo para atirá-la de encontro à água e o tempo certo para encontrar o peixe. Mais silêncio... E, ah, a espera! A agulha vertical mergulha e rasga a água e a garganta quando o peixe que nadava tranquilo se deixa levar pelo impulso de abocanhar aquele pedaço tão suculento de comida. Logo sente a âncora fisgar-lhe a boca, não há o que fazer, não há como fugir, é tarde demais. Sente o arranco e em seguida o rasgão que lhe puxa pra cima. E as luzes se apagam... Silêncio! Mas o céu é azul e ainda reflete seu brilho na água e ilumina o sorriso daquele que estava sentado na beira do lago.
Atividade realizada em grupo no dia 04 de Julho de 2009, cuja proposta era criar um texto a partir de uma melodia ou ritmo musical. Integrantes do grupo: André, Luzia e Nélio.

Primeira Postagem...


Essa imagem serviu para inaugurar minha primeira postagem neste blog. Acredito que possa passar a seguinte mensagem a respeito do mesmo: ser um livro aberto na troca de experiências durante o curso que estamos realizando.